Seguidores

domingo, 21 de junho de 2009

Contradição: SEC amplia escola de lata e compra carros novos

Escolas de Lata

A secretária de Educação do Estado, Mariza Abreu, está investindo na ampliação das escolas estaduais em Porto Alegre. Nas escolas de lata. É o caso da Escola Estadual General Neto, localizada na Estrada Edgar Pires de Castro, na Zona Sul da cidade. Depois de uma série de movimentos da comunidade escolar - pais, alunos e a própria direção - visando à retomada da construção do novo prédio para a escola, que incendiou em 2007, a SEC resolveu iniciar as obras para a instalação de mais três contêineres. As novas salas de aula de lata irão abrigar a sétima série em 2010. Os alunos desta turma foram distribuídos entre outras escolas, distantes da região onde moram.
Para a vereadora Sofia Cavedon, da Comissão de Educação da Câmara Municipal de Porto Alegre, que acompanha a situação desde o início, a medida mostra mais uma vez o descaso com que a Educação está sendo tratada pelo governo Yeda.
A instalação de mais contêineres na General Neto significa que as condições continuarão, no próximo ano, insalubres, precárias e indignas para alunos, professores e funcionários da escola.

Carros Novos


Num momento em que as escolas estaduais encontram-se sucateadas por falta de investimentos, em que os salários dos trabalhadores em educação sofrem o maior arrocho dos últimos tempos, a SEC investe recursos na aquisição de novos veículos.

Foram adquiridos 39 Ecosport Freestyle com capacidade para no máximo cinco pessoas. Não seria mais econômico e útil adquiri kombis, que conduzem mais crianças e podem também ser usadas para carregar materiais de sala de aula.

A propósito: cada Ecoesport Freestyle tem um custo estimado em R$ 60 mil, o que totaliza aproximadamente R$ 2,3 milhões. Essa é a política da SEC, investe em carros e na contratação de pesquisas manipuladas.

Publicado em http://www.cpers.com.br/

Um comentário:

Eunice disse...

Essa atitude não surpreende quem tem algum conhecimento sobre as verdadeiras intenções deste governo, assim como para quem já sabe que a falta de respeito ao ser humano é uma constante.
Há duas semanas "compraram" centenas de gaúchos para opinar sobre as carreiras dos servidores, como se qualquer cidadão tivesse capacidade para tal. Nosso papel ideal seria submeter as ações governistas à opinião pública, através de pesquisa realmente séria.